quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

"as pessoas apaixonadas e os loucos ficam de miolo tão mole que é fácil criar essas fantasias. A cabeça deles cria coisas que a simples razão é incapaz de acompanhar. O lunático, o apaixonado e o poeta são feitos de imaginação em estado puro. Todos eles conseguem ver mais demônios do que os que cabem no inferno, que por si só já é bastante imenso. Os loucos são assim mesmo! E os apaixonados, então... Um deles é capaz de ver a beleza de Helena de Tróia na cara de uma egípcia. E os poetas? Os olhos do poeta giram em frenesi, olhando do chão até o céu e do céu de volta ate a terra, e começam a imaginar e a enxergar coisas desconhecidas. Então a escrita do poeta dá forma a essas coisas aéreas e inexistentes, e encontra um nome e um lugar para cada uma delas. Essas quimeras imaginarias são tão fortes, que, quando a pessoa se sente feliz com elas, logo imagina também alguma criatura que por sua vez criou essa felicidade. E, se é de noite, qualquer moita logo parece um urso."

Sonho de uma noite de verão. V ato, pag 91.

Um comentário:

Lys Fernanda disse...

De fato, loucos, apaixonados e poetas têm muito em comum. Principalmente a intensidade com que vive no proprio mundo de ilusao, adorei a citaçao.